Como manter a saúde mental em tempos de isolamento social

Compartilhe >

20/05/2020 - 5 min - Por Amanda Viegas

A sociedade como um todo está passado por um período de crise provocada pelas consequências do COVID-19. Muitas pessoas nunca tinham passado por um momento tão desafiador e peculiar como o atual. O cenário da pandemia gera incertezas, o que pode ocasionar instabilidade emocional e danos à saúde mental.

Pensando nisso, a SOMOS Educação realizou um webinário sobre como manter a saúde mental em tempos de isolamento social. Este post visa ressaltar os principais pontos discutidos no vídeo, assim como apresentar algumas dicas de como a escola pode ajudar as famílias, alunos e corpo docente a enfrentarem esse momento. Confira!


Saúde mental em tempos de pandemia

Segundo definições da Organização Mundial da Saúde (OMS), pode-se entender como boa saúde mental um bem estar integral, estar bem consigo mesmo e com os outros, aceitar as exigências, saber lidar com as emoções boas e ruins, reconhecer seus limites e, se necessário, buscar ajuda.

Uma preocupação de grande parte dos profissionais da saúde é em relação a como manter o bem estar mental durante este período conturbado e incerto. Inúmeros são os anseios a respeito dos desencadeamentos futuros da pandemia. Há gente com medo da morte, com preocupações acerca da economia, sobre o desenvolvimento de vacina, medicamentos promissores e até mesmo, com a cura. Vale ressaltar que o período de isolamento social pode ampliar ou evidenciar problemas já existentes, mas nem sempre esse afastamento ocasionará novos problemas. Na verdade, ele poderá potencializar conflitos, uma vez que dentro do próprio lar podem existir muitos desafios.

O primeiro passo para conseguir enfrentar o momento atual é compreender que é normal se sentir assim, é preciso reconhecer os medos. Após isso, se faz necessário aceitá-los e agir para lidar com eles de alguma forma. Não existe uma receita mágica, já que cada um sente e demonstra de uma forma única. O que estamos vivendo hoje é um desafio mundial e, mais do que nunca, devemos acreditar na força da coletividade para enfrentar isso juntos.

Novos tempos

A sociedade moderna é caracterizada pelo dinamismo, pela rapidez de acontecimentos e trocas de informação. A falta de tempo era um ponto bastante incomodo para a grande maioria das pessoas. Agora, muitas delas estão em casa e o que se têm percebido é um tédio atrelado ao excesso de tempo ocioso. Desde o começo do isolamento social, muito foi difundido nas redes sociais dicas de produtividades, cursos gratuitos e outras milhares de formas de ocupar o dia a dia dentro de casa. Quando, na verdade, ocupar o tempo não é necessariamente algo bom, pelo contrário. O tempo é uma preciosidade, afinal, quando ele acaba, a vida humana deixa de existir.

Muito se tem percebido como a arte tem um poder de preenchimento. Séries, filmes, músicas, livros, pintura, desenho, artesanato, e diversas outras manifestações artísticas vêm trazendo leveza e apoio para pessoas em diversas partes do mundo. Keynes (1930) dizia que a única salvação é a cultura, que, por sua vez, exige tempo e aplicação, mas não exige espaço! Dessa forma, é possível transformar o ócio depressivo em criativo.

Apesar do isolamento social trazer um sentimento de solidão, na verdade, o sentir-se solitário pode acontecer mesmo estando rodeado por pessoas, em qualquer local ou ocasião. O desafio é transformar a solidão em solitude, que nada mais é do que um período de introspecção e reflexão interna. Para enfrenar o momento atual é preciso ressignificar. Não é saudável viver todos os dias pensando em como vai ser a vida quando tudo isso passar, pois a vida já está acontecendo, aqui e agora.  

Assista gratuitamente o webinário sobre saúde mental em tempos de isolamento na íntegra:

Dicas práticas para lidar com o momento atual

O principal ponto sobre como manter a saúde mental em tempos de pandemia é compreender que essa é uma questão interna (de dentro pra fora); portanto, ela não deveria variar com o contexto. Apesar disso, fica clara a preocupação e o anseio de grande parte da população sobre como a situação é delicada. Pensando em como a escola pode apoiar tanto o corpo docente quanto às famílias e alunos, relacionamos algumas dicas para lidar melhor com a quarentena:

  • Ver o isolamento como oportunidade e não como obstáculo;
  • Estabelecer rotinas para diminuir o stress, mas manter a flexibilidade (ex.: ver filmes, jantar na sala);
  • Fazer atividades curtas, de tipo 1h diária;
  • Comunicar suas preocupações com os outros, assim haverá acolhimento e esperança;
  • Fazer das refeições um momento especial, isso une as pessoas e aproxima a família;
  • Fazer exercício, ter alimentação leve e tomar 10 minutos de sol, no mínimo;
  • Ter limites de espaço tempo e, principalmente, respeitar o próprio tempo;
  • Entretenimento: assistir filmes, séries, vídeos, ouvir música, colocar hobbies em prática, jogar em família, ver e tirar fotos, ligar para amigos e familiares;
  • Crescimento pessoal: fazer cursos, estudar, pesquisar sobre novos assuntos, crescer profissionalmente;
  • Meditar é uma forma de se encontrar, se perceber, se trazer para o mundo e agradecer.
  • Procurar ajudar as pessoas, pois isso traz retorno e bem estar.

Adaptando-se aos novos desafios

Não se pode negar a seriedade do período atual e das suas consequências para a vida de todos. Contudo, cabe a cada um procurar medidas para lidar com a situação e buscar formas de manter a saúde mental mesmo em tempos de pandemia.

O isolamento social tem se mostrado uma medida eficaz contra a disseminação do vírus, porém, há consequências para diversas áreas e setores. No contexto educação, muitas instituições de ensino tiveram que suspender as suas atividades, enquanto outras estão procurando formas de continuar o ensino mesmo com a distância física entre a escola e o estudante. Para isso, a tecnologia tem se mostrado uma grande aliada para ser possível a continuidade do aprendizado. Preparamos uma entrevista sobre a temática, baixe gratuitamente:

Compartilhe >