Em qual segmento você atua?

    Educação InfantilEnsino Fundamental 1Ensino Fundamental 2Ensino MédioCursinhoEnsino SuperiorNão trabalho com Educação

    neurociência e gamificação

    Gamificação e neurociência na aprendizagem de inglês

    Compartilhe >

    20/05/2021 - 3 min - Por Amanda Viegas

    A gamificação e a neurociência na aprendizagem dos alunos tem se tornado temáticas bastante relevantes e pertinentes ao contexto contemporâneo. Mas, de que maneira esses elementos podem de fato potencializar o aprendizado da língua estrangeira? Os jogos, sejam eles educacionais ou não, trabalham em harmonia com o “hardware” mais complexo de todo o universo: o cérebro. 

    Dessa forma, compreender mais sobre o funcionamento cerebral em atividades que envolvem jogos, nos permitirá aprimorar as práticas pedagógicas. Além disso, cria-se uma educação mais engajada ao motivar os alunos a se tornarem participantes ativos desse processo. Pensando nisso, convidamos Simone Moraes, Coordenadora Acadêmica de Soluções Complementares da SOMOS Educação para participar desse debate. Confira a seguir! 

    Gamificação e neurociência na aprendizagem 

    Todos os jogos, sejam eles educacionais ou não, trabalham em harmonia com o “hardwaremais complexo de todo: o cérebro. Sendo que, é importante compreender o funcionamento cerebral durantes as atividades que envolvem jogos. A partir dessa compressão, torna-se possível aprimorar as práticas pedagógicas ao engajar e motivar os alunos a serem protagonistas do processo de aprendizagem. Ou seja, entender de que me maneira o cérebro funciona possibilita alcançar melhores resultados em sala de aula.  

    Existem diversas ferramentas e estudos que possibilitam examinar como o corpo reage em determinadas situações. Alguns exemplos são: eletroencefalografia, eletromiografia facial, economia Comportamental, salivação, entre outros. Já no contexto de sala de aula, um exemplo bastante relevante no universo contemporâneo é o Brain-Based Learning. Mas, o que é de fato isso? 

    “Refere-se às metodologias de Ensino, design de planos de aula e programas pedagógicos que se baseiam em pesquisas educacionais mais atualizadas sobre como o cérebro aprende, incluindo fatores como desenvolvimento cognitivo, sobre como os alunos aprendem de maneiras diferentes conforme ficam mais velhos, crescem e amadurecem socialmente, emocionalmente e cognitivamente.” – Trecho retirado do webinário Gamificação e neurociência. 

    Vale ressaltar que o Brain-Based Learning leva em consideração que cada aluno aprende e se desenvolve de um jeito, da sua maneira e no seu tempo.  

    Dicas para colocar em prática o Brain-Based Learning 

    Durante o webinário, Simone Moraes cita algumas dicas de como incorporar tais metodologias em sala de aula. Confira-as a seguir: 

    • Estabelecer um ambiente positivo; 
    • Incorporar elementos com diferentes estímulos; 
    • Fala sobre hábitos saudáveis; 
    • Dividir a aprendizagem “em pílulas”. 

    Na prática, isso poderia acontecer da seguinte maneira

    1 – Música e movimento: Uma da forma de se estabelecer um ambiente positivo é utilizar de música que possibilita a liberação de endorfina e, logo, melhora as condições de aprendizado. Sobre o movimento, ele melhora a circulação sanguínea e, como consequência, o funcionamento do cérebro. 

    2 – Sobre a incorporação de elementos com estímulos diversos, vale considerar as diferente inteligências e maneiras de aprender:  Inteligência Linguística, Lógica-Matemática, Corporal-Cinestésica (ou Motora), Musical, Espacial, Interpessoal, Intrapessoal, Naturalista, Existencial. Para colocar isso em prática, os educadores podem pensar em implementar elementos que contemplem essas inteligências no plano de aulas ao longo do tempo. 

    3- Ao falar com os alunos sobre hábitos saudáveis, isso interfere em muito na rotina de aprendizado desses estudantes, já que ao estar saudável, hidratado, bem alimentado aprende-se melhor.  

    4- Dividindo o aprendizado ao longo do tempo, é possível medir constantemente a assimilação dos alunos sobre os conteúdos, para, então, seguir adiante. Recapitular e revisar os conteúdos já ministrados também é uma prática bastante positiva.  

    Gamificação X Game-based Learning 

    Existem diversos aspectos presentes nos jogos e que podem ser implementados em sala de aula como práticas pedagógicas. Alguns desses elementos presentes nos jogos são: 

    • Conflito;  
    • Colaboração; 
    • Competição;  
    • Estratégia;  
    • Probabilidade; 
    • Estética; 
    • Fontes de busca;  
    • Tempo;  
    • Recompensa; 

    Dessa forma, o processo de ensino-aprendizagem se torna cada vem mais personalizado, incentivado a autonomia e protagonismo de cada aluno. Sendo essa temática bastante pertinente na atualidade, achamos válido preparar um vídeo completo sobre a gamificação e neurociência no aprendizado do inglês.  

    Assista gratuitamente o webinário na íntegra: 

    Compartilhe >

    LEIA TAMBÉM

      Em qual segmento você atua?

      Educação InfantilEnsino Fundamental 1Ensino Fundamental 2Ensino Médio
      CursinhoEnsino SuperiorNão trabalho com Educação