Práticas para Gestão Emocional Familiar

Compartilhe >

26/06/2020 - 6 min - Por Mirella Amaral

Morgana Batistella, gestora da SOMOS Educação, convida para o webinário: Práticas para Gestão Emocional Familiar, Alexandre Vitoriano, filósofo e educador há mais de 20 anos. A live tem como objetivo apresentar o papel da família no processo ensino aprendizagem em tempos de isolamento social, acerca das angústias sobre as incertezas e sobretudo, como lidar e sobreviver a essas grandes transformações.

Logo no início da apresentação, são introduzidos dois conceitos bastante importantes para o contexto atual: resiliência, que é passar pelo caos e diversidade, mas depois retornar sem perder sua essência e antifrágil, enfrentar uma situação estressante, delicada e caótica, mas após isso retornar mais resistente e com mais aprendizado do que antes e melhor. Ou seja, ambos os conceitos abordam as dificuldades enfrentadas por conta da COVID-19 e como enfrentá-las.

Pensando na enorme relevância da temática para auxiliar a todos a lidar melhor com os sentimentos e consequências da pandemia, preparamos este artigo com os principais pontos do webinário. Confira a seguir!

OS RÓTULOS E INTERPRETAÇÕES DO MUNDO

O webinário pretende mostrar os caminhos para administrar os sentimentos. Alexandre enfatiza que todos estão juntos para aprender cada vez mais. Sem dúvidas, ainda será possível observar que as pessoas sairão dessa situação, melhores. Trazendo dicas sobre como refletir acerca da maneira que cada um está sentindo e de como lidar com as emoções de forma equilibrada para não se tornar refém, mas sim, se desenvolver com elas. Logo, é possível sair dessa situação melhor como pessoa e família, adquirindo mais conhecimentos.

Em todos os âmbitos da vida se carece de autoresponsabilidade das escolhas e da própria existência. Ao entender o quanto cada um é responsável por suas atitudes e como a postura adotada diante das emoções sentidas podem influenciar o redor. Portanto, torna-se essencial entender a importância das nossas interpretações diante dos acontecimentos do mundo. Alexandre Vitorino ressalta que aquilo que se percebe do mundo e da realidade é somente a forma que compreendemos, baseados nas crenças e no mapa mental individual.

Observar a maneira em que a sociedade tenciona a rotular os eventos, pois essas descrições vão influenciar a condução dos acontecimentos e impactar as emoções. Por exemplo, ao tratar uma situação com negativismo pode-se gerar interferências no desempenho e impedir a produção de estímulos. Ao viver uma situação atípica devido a pandemia ocasionada pelo Coronavírus, tratando-a como fim do mundo, se constrói uma perspectiva ainda mais prejudicial para si.

AUTOCONFIANÇA COMO SUA PRÓPRIA SALVAÇÃO

Vale ressaltar que a resposta que geramos para as situações provoca um resultado. Os significados dados para as coisas da vida e sua postura diante das circunstâncias impostas motivam as nossas ações. Trabalhando o domínio das emoções, fica claro o poder que temos em mãos para tomar decisões. Pois como já abordado, o modo como você se posiciona é determinante para seu desempenho. Sendo assim, precisamos perceber que nosso próprio desafio é com nós mesmos.

Em momentos determinantes como o de agora, as pessoas são induzidas a encontrarem sua própria força. A autoconfiança transfigura-se como heroína do contexto, pois somente aquilo refletido em você pode influenciar os conceitos e reflexões necessárias para te dar coragem de encarar o mundo. No momento de pressão e tensão, o ser humano é colocado à prova. Ou seja, seus maiores valores são revelados e testados, mas também a falta deles.

A importância de identificarmos em nós mesmo as nossas maiores forças e usá-las nos momentos de adversidade. Além disso, acolher e respeitar seus sentimentos, porque muitas vezes esquecemos que o homem é um indivíduo pensante, emocional e principalmente um ser de relações. Logo, em primeiro lugar, precisamos trabalhar nossa relação pessoal para depois conseguir se relacionar com outros de forma positiva.

A IMPORTÂNCIA DO OUTRO

Devemos perceber que o outro nos influencia a ser uma pessoa melhor e nos desafia o tempo todo, seja através de estímulos para concorrência ou de inspirações para desenvolvimento próprio. O ser humano necessita de outros indivíduos a todo momento, pois por meio desse contato e convívio coletivo aprendemos a ser pacientes. Mas para cultivar relações harmônicas e saber lidar com as pessoas é preciso trabalhar a empatia.

Ao se colocar no lugar do outro e compreender que cada ser humano é único, possuindo uma perspectiva de vida distinta, com suas próprias crenças e mapa mental, ou seja, cada um possui sua história particular. Portanto, a empatia é traduzida em atenção, interesse em ouvir outras pessoas com curiosidade, perceber as necessidades delas e em identificar os sentimentos do outro.

REDE DE CONEXÃO

Faça o exercício de pensar em todos aqueles que conviviam com você de forma direta e indiretamente antes da pandemia. Depois, crie uma lista de conexão para ter contato com essas pessoas que estão distantes, seja por ligação, mensagem ou chamada de vídeo. A importância de trabalhar periodicamente a quebra desse distanciamento, tornando esse contato um hábito e um esquema para se unir com outros.

COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS

No contexto contemporâneo, se tornou vital para o processo de aprendizado e aprimoramento trabalhar com programas de desenvolvimento socioemocionais. Diante da situação que o mundo está enfrentando agora, cheio de incertezas, não há uma receita sobre certo e errado, ou manual de instruções de como agir. No entanto, as pessoas com essas competências desenvolvidas vão conseguir lidar com as circunstâncias de forma mais equilibrada.

GESTÃO DO TEMPO

Torna-se necessário criar o hábito de administrar suas ações no dia e gerenciar suas tarefas. A importância de check-list e propósitos no cotidiano, porque são as metas que possibilita a superação dos desafios e através delas é possível aprofundar em soluções. Ao desenvolver um senso de organização e propósitos, viabiliza-se uma gestão de crise, independente de qual seja ela. Portanto, com mais foco e direcionamento é viável alcançar resultados mais pontuais, além de sobrar tempo. Vale também ressaltar a relevância das pausas e descanso, para não viver no automático.

CONCLUSÃO

A Gestão Emocional Familiar é uma grande aliada para que as famílias e alunos possam enfrentar os desafios atuais e consigam lidar melhor com o processo de ensino-aprendizagem remoto. Nesse novo contexto, os pais e responsáveis devem ser colaboradores ativos na aquisição do conhecimento dos seus filhos, já que a casa dos estudantes se tornou uma extensão do aprendizado.

Neste artigo, apresentamos os principais pontos do webinário com Morgana Batistella, gestora da SOMOS Educação e Alexandre Vitoriano. Para ter acesso ao vídeo na íntegra, baixe gratuitamente:

Compartilhe >